Anterior

ANTERIOR

Delator acusa Crivella de ter recebido recursos da Fetranspor

23/11/2017

Giro pelo Brasil

Grande Fortaleza tem segundo dia de ataques a ônibus e delegacias

Coletivos foram incendiados nos bairros como Vila Velha e Mucuripe; delegacias e uma agência bancária receberam tiros e, em um dos DPs, um carro foi queimado

Fonte: G1 | 20/04/2017 - 14:00
Grande Fortaleza tem segundo dia de ataques a ônibus e delegacias

A grande Fortaleza registrou cinco incêndios a ônibus até o início da tarde desta quinta-feira (20), totalizando 22 ataques a coletivos desde esta quarta. Um banco e delegacias receberam rajadas de tiros na cidade de Maracanaú e Fortaleza entre a noite de quarta e esta madrugada. Transferências de presos e mudanças nos presídios foram apontadas em uma carta deixada no local de um dos incêndios como sendo motivação para os ataques. Oito pessoas foram presas suspeitas de envolvimento nas ações criminosas. Um motorista e um cobrador ficaram feridos, mas não correm risco de morrer.

Por volta das 8h30, um coletivo da linha Vila Velha-RioMar Kennedy foi o primeiro a ser incendiado neste segundo dia de ataques. O Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Ceará (Sindionibus) informou ainda que um veículo foi queimado no Bairro Mucuripe e um terceiro da Linha Antônio Bezerra/Bairro Padre Andrade. No Bairro Jardim Fluminense, o incêndio a ônibus foi em frente a uma escola municipal que terá de suspender aulas, segundo um funcionário. Os ataques a ônibus desta quarta, ocorreram a partir do meio-dia em bairros como Barroso - o primeiro deles -, Edson Queiroz e Barra do Ceará, além de cidades como Horizonte. Nestes três casos, criminosos jogaram gasolina e atearam fogo.

Ainda segundo o Sindiônibus, apesar dos ataques desta quinta, não há previsão de retirar os ônibus de circulação novamente.

Dia caótico

Por causa dos ataques, alguns simultâneos, os ônibus deixaram de circular durante a tarde desta quarta-feira; faculdades suspenderam aulas; muita gente ficou sem opção para voltar para casa, e o transporte alternativo cobra valores superfaturados.

Delegacias

À noite, prédios públicos passaram a ser alvos. Três delegacias sofreram ataques de criminosos na noite desta quarta-feira (19) e madrugada desta quinta-feira (20) na Grande Fortaleza. O primeiro ataque foi registrado, segundo a Polícia Militar, na Delegacia de Pajuçara. De acordo com a polícia, homens armados atiraram contra a vidraça da unidade. Ninguém ficou ferido. A polícia está investigando se foi o mesmo grupo que atacou uma agência bancária da Caixa Econômica Federal.

No 33º Distrito Policial no Bairro Goiabeiras, em Fortaleza, também houve ataque nessa madrugada. A polícia informou que quatro homens em duas motos disparam contra o distrito. A vidraça foi quebrada e o grupo conseguiu fugiu. Ninguém ficou ferido. A delegacia recebeu reforço da Polícia Militar.

E no 8º Distrito Policial, no Bairro José Walter, um carro foi incendiado. A polícia disse que dois homens chegaram e colocaram gasolina em um carro apreendido que estava estacionado no pátio. O veículo ficou destruído. Por sorte ninguém ficou ferido. O Corpo de Bombeiros foi chamado para apagar as chamas. Até a manhã desta quinta-feira, ninguém foi preso.

Presos

Oito homens foram detidos até a manhã desta quinta por suspeita de envolvimento nos incêndios. Um deles já que já responde por tráfico de drogas, roubo e porte ilegal de arma de fogo, foi preso pelo Batalhão de Policiamento de Rondas e Ações Intensivas e Ostensivas (BPRaio) pela manhã no Bairro José Walter. O suspeito, que estava armado, foi autuado em flagrante por porte ilegal de arma de fogo, ameaça e organização criminosa.

Motivação

Uma carta que exibe a assinatura de uma suposta facção criminosa foi deixada em um local de ataque a ônibus em Fortaleza nesta quarta-feira (19) na Barra do Ceará. A mensagem aponta como motivo dos incêndios mudanças dentro dos presídios. Uma fonte ouvida da área da segurança pública ouvida pelo G1 disse nesta quarta-feira que os ataques são represálias contra a mudança na rotina dos presídios do Ceará e transferências de presos. "A mudança de rotina em um dos presídios que deixava os presos soltos no pátio e passaram a ser recolhidos nas celas" foi o estopim da ação criminosa, disse.

Como foram os ataques da quarta

Dentre as ocorrências, foram registrados incêndios nos bairros Edson Queiroz, Barra do Ceará e Barroso, na capital, e nos municípios de Eusébio e Horizonte. Devido aos ataques, pelo menos três terminais de ônibus suspenderam as atividades.

Conforme o tenente-coronel Lima, comandante do 5º Batalhão da Polícia Militar (BPM), criminosos pararam um ônibus na Barra do Ceará e mandaram os ocupantes descerem. Logo em seguida, eles queimaram o veículo e fugiram. A polícia realiza buscas para tentar identificar e prender os suspeitos.

Já a professora Lídia Bandeira contou ao G1 que estava em casa no Bairro Edson Queiroz com uma amiga quando ouviu um barulho alto, achou que fosse uma batida, mas quando chegou à frente da casa avistou um ônibus em chamas.

Uma moradora de Horizonte também relatou ao G1 que viu o ataque na cidade. "Chegaram três homens, não estavam encapuzados, no distrito de Dourado, nunca ocorreu isso em Horizonte, principalmente, neste distrito, que fica afastado do centro, pediram para os passageiros descer, jogaram gasolina e queimaram o ônibus'', relatou.

Enel e Cagece

Cinco carros de empresas distribuidoras de água e energia elétrica também foram alvos de ataques na tarde desta quarta-feira. Em nota, a Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) disse que acionou os órgãos de segurança pública para fossem tomadas providências.

Já a Enel Distribuição Ceará, companhia de energia elétrica do estado, informou que durante os ataques aos ônibus, um carro da companhia foi incendiado e o outro atingido por disparos de arma de fogo no bairro Cidade dos Funcionários. A companhia afirmou que repudia atos de violência e acrescenta que os colaboradores da empresa não foram feridos.