Anterior

ANTERIOR

Mais um filho de Flordelis teria rompido relações com a mãe após morte de pastor

19/07/2019

Próximo

PRÓXIMA

Portal da Transparência amplia oferta de serviços

19/07/2019

Giro pelo Brasil

Sede da Ancine será transferida para Brasília, diz Bolsonaro

Agência pode se transformar em secretaria

Fonte: Agência Brasil e El país - Foto: Valter Campanato/Agência Brasil | 19/07/2019 - 16:20
 Sede da Ancine será transferida para Brasília, diz Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro disse hoje (19) que vai transferir a sede da Agência Nacional do Cinema (Ancine) do Rio de Janeiro para Brasília. Segundo ele, o governo estuda transformar a Ancine em uma secretaria vinculada a algum ministério.

"É uma ideia que a Ancine vire uma secretaria, ligada a algum ministério. Não sei se do [ministro] Osmar Terra [Cidadania] ou não. Vou conversar com ele”, disse Bolsonaro, após participar da solenidade comemorativa do Dia Nacional do Futebol, no Ministério da Cidadania.

Segundo Bolsonaro, o governo fará um filtro sobre as produções audiovisuais. “Vai ter um filtro, sim, já que é um órgão federal. Se não puder ter filtro, nós extinguiremos a Ancine, privatizaremos ou extinguiremos. Não pode é dinheiro público ser usado para filme 'pornográfico'.”

O presidente defendeu a produção de filmes sobre heróis brasileiros. “Temos tantos heróis no Brasil e a gente não fala desses heróis. Não toca no assunto. Temos que perpetuar, fazer valer, dar valor a essas pessoas que no passado deram sua vida, se empenharam para que o Brasil fosse independente lá atrás, fosse democrático, e sonhasse com um futuro que pertence a todos nós.”

Decreto assinado ontem (18) determinou a transferência do Conselho Superior do Cinema do Ministério da Cidadania para a estrutura da Casa Civil da Presidência da República. Ao justificar a medida, em entrevista à imprensa, o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, argumentou que o conselho já esteve na Casa Civil e que é preciso acompanhar melhor o retorno dos investimentos públicos no cinema.

Caminhoneiros

Sobre uma possível nova paralisação dos caminhoneiros por causa da tabela do frete, Bolsonaro disse que é um direito de todos fazer greve. “Os caminhoneiros são uma classe importantíssima para o Brasil”, acrescentou.

O presidente disse esperar que a categoria não faça paralisação e destacou que o governo está fazendo “o possível” para atender às reivindicações dos caminhoneiros “Isso atrapalha e muito a economia. Reconhecemos a dificuldade da carreira. Estamos prontos para continuar conversando.”

Fome

Bolsonaro foi perguntado sobre uma declaração dada mais cedo em café da manhã a jornalistas de veículos estrangeiros sobre a fome no país. “Falar que se passa fome no Brasil é uma grande mentira. Passa-se mal. Não [se] come bem”, disse o presidente no café da manhã.

Na entrevista dada no Ministério da Cidadania, Bolsonaro reafirmou que o brasileiro come mal. “Alguns passam fome”, disse. “É um país que a gente não sabe por que uma pequena parte passa fome e outros passam mal ainda.”

Conforme divulgado pelo jornal El país, diversos especialistas apontam a resiliência da crise econômica e do desemprego como fatores que pressionam os índices de fome e miséria. No Brasil, 2,5% da população ainda se encontram em grave situação alimentar, segundo o relatório sobre o Estado da Segurança Alimentar e Nutrição no Mundo, apresentado no final de 2018 pela Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO). Os dados, referentes a 2017, apontam que mais de 5,2 milhões de brasileiros passaram ao menos um dia inteiro sem comer ao longo do ano.

A FAO elabora anualmente os índices de pessoas que passam fome ou são subnutridas no mundo, com informações fornecidas pelos próprios países. Os dados sobre o Brasil têm se mantido relativamente estáveis desde 2009, em um patamar menor que 2,5% da população. Em 2014, a organização da ONU tirou o Brasil do Mapa da Fome —composto por países em que mais de 5% da população consome menos calorias do que o recomendado. Há o temor, entretanto, de que, com a persistência da crise, o país possa voltar a fazer parte deste grupo de países. Segundo o IBGE, entre 2016 e 2017 a pobreza no Brasil passou de 25,7% para 26,5%. O número de extremamente pobres, aqueles que vivem com menos de 140 reais mensais, saltou de 6,6%, em 2016, para 7,4%, em 2017.