Anterior

ANTERIOR

Cineastas cristãos podem ser presos por não filmar casamento gay

19/10/2018

Universo Cristão

Comunismo já matou mais de 400 milhões de bebês por abortos forçados na China

Os pais que tivessem um segundo filho eram obrigados a abortar ou poderiam perder o emprego

Fonte: Guiame/ Com informações do Charisma News | 12/01/2018 - 12:30
Comunismo já matou mais de 400 milhões de bebês por abortos forçados na China

Durante décadas, as políticas de controle da população da China levaram milhões de crianças por nascer ao abate, além de promoverem uma cultura de morte e discriminação com base no sexo. Pais foram punidos por ter filhos. Entre 1979 e 2015, a política de “uma criança por família” foi uma das políticas fundamentais do governo comunista da China.

Esta regra política era aplicada através de três métodos diferentes: aborto, multas e perda de emprego. Os abortos forçados na China mataram aproximadamente 400 milhões de crianças, nos últimos 40 anos, e criaram uma proporção sexual extremamente desproporcional. O motivo? Muitas famílias abortaram filhas por causa de uma preferência cultural por filhos.

Grandes tributos também foram impostos em casos de uma segunda gravidez. Essas multas às vezes equivaliam a seis vezes a renda familiar anual do ano anterior. Cumulativamente, as multas trouxeram o equivalente a mais de dois trilhões de dólares dos EUA aos governos locais na China. Como resultado, a Academia de Ciências Sociais da China estimou que até o ano 2020, a China terá 30 milhões de homens a mais do que mulheres.

O método mais efetivo das três penas foi a perda de emprego. A maioria dos regulamentos exigia que os governos locais e as empresas estatais demitissem funcionários que violassem a política de um único filho e privassem seu direito de acesso a benefícios sociais. As empresas privadas também foram encorajadas a fazer isso e a maioria cumpriu.

Em janeiro de 2016, devido à enorme queda no número de pessoas e ao aumento da idade da população, a China mudou essa política de uma criança para uma "política de dois filhos". No entanto, a mudança na política de controle de população atraiu pouca atenção na sociedade chinesa. Com base em estatísticas, metade das famílias de uma criança não quer uma segunda criança e nada sugere que a taxa de aborto tenha caído.

Além da mudança de 2016 na política de uma criança, o Comitê Judicial do Congresso Nacional do Povo (NPC) enviou uma carta a cinco províncias da China com a intenção de eliminar as penas mais severas que atualmente existem para fazer cumprir a política de dois filhos. A China modifica frequentemente suas políticas, enfraquecendo a aplicação das penalidades ou removendo-as.