Anterior

ANTERIOR

Cineastas cristãos podem ser presos por não filmar casamento gay

19/10/2018

Universo Cristão

Mulher fez mais de 75 mil marmitas em sua casa para moradores de rua: `Propósito de Deus´

Gloria Lewis, de 54 anos, abriu sua própria casa para produzir mais de 75 mil marmitas para desabrigados na Flórida

Fonte: Guia-me / com informações Fox News | 13/04/2018 - 14:45
Mulher fez mais de 75 mil marmitas em sua casa para moradores de rua: `Propósito de Deus´

A garçonete Gloria Lewis, de 54 anos, já preparou mais de 75 mil marmitas em sua própria cozinha para distribuir aos moradores de rua que vivem na Flórida, nos Estados Unidos.

Todos os fins de semana, ela prepara cerca de 225 refeições e 180 lanches de café da manhã em sua cozinha de dois fogões. São gastos mais de 700 dólares em compras para fazer a comida a cada semana.

Junto com seu marido, o mecânico Anthony Vargas, de 44 anos, Gloria criou a organização Care in Action em 2012, fazendo apenas 20 refeições por semana. No entanto, o casal viu sua produção aumentar em 90% graças ao apoio financeiro do empresário Bob Byers, da Pensilvânia, que se envolveu no projeto em 2015.

“Comecei em 2012 fazendo 20 refeições todos os domingos. As pessoas ficaram muito agradecidas pelas refeições e orações. Passamos de 20 refeições para mais de 200 agora. Sou só eu e meu marido. Acreditamos que Deus proverá para nós e nossas necessidades”, disse Gloria à Fox News.


A garçonete Gloria prepara cerca de 225 refeições e 180 lanches de café da manhã em sua cozinha. (Foto: SWNS)

Em seu trabalho árduo, Gloria tem a esperança de mudar a realidade de quase 2.500 pessoas que dormem nas ruas do Condado de Broward. “Sinto que não consegui fazer muita diferença porque ainda há pessoas nas ruas e o número está crescendo”, disse ela. “Um dia não haverá ninguém morando nas ruas. Eu sinto que posso ajudar as pessoas”.

Ela pretende continuar usando sua cozinha para cumprir a missão de ajudar quem ela puder e define sua atuação como “propósito de Deus”. “Eu não poderia fazer isso sem Deus. Ele chamou e meu marido para fazer isso”, afirma. “Há um estigma sobre as pessoas desabrigadas, mas elas são úteis tão solidárias. É uma honra fazer o que faço”.