Anterior

ANTERIOR

`Não queremos culto cristão´, dizem nacionalistas hindus a pastores na Índia

23/08/2019

Universo Cristão

Pastor Andrew Brunson deseja retornar à Turquia: `Queremos levar o amor de Deus´

Pastor norte-americano Andrew Brunson ficou preso por dois anos na Turquia, após liderar uma igreja no país por 23 anos

Fonte: Guia-me / com informações Christian Post / Foto: USCIRF | 08/02/2019 - 10:30
Pastor Andrew Brunson deseja retornar à Turquia: `Queremos levar o amor de Deus´

Mesmo depois de ser preso por dois anos na Turquia, o pastor Andrew Brunson espera voltar para levar o amor de Deus ao povo turco.

“Gostaríamos de voltar. Amamos as pessoas de lá porque acreditamos que Deus as ama. E queremos mostrar o amor de Deus para elas. Algum dia esperamos que as condições sejam adequadas para que voltemos”, disse o pastor na quarta-feira (6) no Capitólio dos Estados Unidos.

"Se pudéssemos voltaríamos, mas a Comissão dos Estados Unidos sobre Liberdade Religiosa Internacional (USCIRF, na sigla em inglês) provavelmente não quer que voltemos”, acrescentou Brunson, referindo-se aos riscos de sua visita ao país.

Andrew Brunson foi preso na Turquia em outubro de 2016, acusado de fazer parte da tentativa de golpe o presidente turco Recep Erdogan. Em outubro de 2018, o governo de Donald Trump garantiu com sucesso sua liberação, depois que sanções econômicas foram impostas à Turquia.

Durante o encontro no Capitólio, a esposa do pastor, Noreen, agradeceu ao trabalho da USCIRF. “Estamos cientes de que nem todas as histórias terminam da mesma forma que a nossa”, afirmou. “Nós temos que dar glória a Deus”.

Brunson observou que hoje a igreja na Turquia enfrenta ainda mais dificuldades. “Há mais restrições chegando agora. Muitos missionários foram deportados do país. Houve um efeito negativo na igreja, porque muito do que a mídia turca divulgou sobre mim — que foi apoiado pelo governo — pintava um quadro negativo dos cristãos, dizendo, por exemplo, que eu sou um terrorista ou que os cristãos apoiam grupos terroristas e queremos dividir o país”, afirmou.

Mas a verdade é oposta, segundo o pastor: os cristãos estão orando pela Turquia e desejam ser uma bênção para seu país.

Além dos cristãos, grande parte da hostilidade do governo é direcionada ao movimento Gülen, inspirado nos ensinamentos do líder muçulmano Fethullah Gülen, um imã turco que vive nos EUA desde 1999.

Brunson conta que costumava dividir cela com pessoas que eram acusadas de fazer parte desse movimento, mesmo sendo inocentes das acusações. “Eu tenho muitos amigos na prisão da Turquia agora que não deveriam estar presos. Muitas famílias foram destruídas”, lamentou.