Anterior

ANTERIOR

Campanha pró vida é transmitida em Outdoor na Times Square

15/04/2019

Próximo

PRÓXIMA

Igreja Perseguida prevalece na Península Arábica

15/04/2019

Universo Cristão

Igreja doméstica uigur se expande na Ásia Central

Povo uigur está aberto e pronto para receber o evangelho

Fonte: Portas Abertas | 15/04/2019 - 17:00
Igreja doméstica uigur se expande na Ásia Central

Recentemente, uma equipe da Portas Abertas se encontrou com vários cristãos da etnia uigur na Ásia Central. O povo uigur é de origem turcomena e habita principalmente na Ásia Central. Na atualidade, os uigures vivem principalmente na região autônoma chinesa de Xinjiang, no extremo oeste do país, que é o lar de cerca de 11 milhões de uigures. Os uigures são uma das 55 etnias oficialmente reconhecidas pela República Popular da China.

Há, também, grandes comunidades uigures no Paquistão, Cazaquistão, Quirguistão, Mongólia, Uzbequistão e Turquia. Eles são muito abertos ao evangelho e os cristãos abrem o coração, casa e igrejas domésticas ao seu povo. Na cultura uigur, tudo se dá através da hospitalidade e amizade. E é por causa disso que vemos um movimento crescente de igrejas domésticas uigures na Ásia Central.

Os líderes dessas igrejas domésticas nos pedem para orar por eles, mas o primeiro ponto é gratidão pela existência de igrejas domésticas entre eles. Outro motivo de louvor a Deus é a forma simples e pura com que os cristãos uigures compartilham o evangelho com seu povo.

Mas eles precisam que oremos por proteção, para que Deus guarde cada uma dessas igrejas domésticas. Além disso, devemos nos lembrar dos uigures que estão sofrendo em Xinjiang, nos campos de reeducação da China. Os líderes de igrejas domésticas afirmam: “Estamos prontos para receber nossos irmãos e irmãs de Xinjiang. Nos preocupamos muito com eles”. Os uigures são muçulmanos em sua maioria.

Segundo a denúncia da ONU em agosto de 2018, pelo menos um milhão de uigures foram levados para campos de reeducação pelas autoridades da China. O governo chinês admitiu que alguns uigures passaram por programas de reeducação, depois de terem sido classificados como extremistas, mas garantiu que os direitos a suas crenças e liberdade, bem como a sua identidade étnica, foram preservados, como informa o site O Globo.