Anterior

ANTERIOR

Dono de livraria é preso por vender Bíblia no Irã

18/09/2019

Universo Cristão

Após conversão, cristã ex-muçulmana fugiu de casa para não morrer

Aizah abandonou os pais para não negar sua fé e, hoje, apoia outras mulheres em situação de vulnerabilidade por causa da sua fé e gênero

Fonte: Portas Abertas | 26/06/2019 - 17:00
Após conversão, cristã ex-muçulmana fugiu de casa para não morrer

Em 26 de junho, é lembrado como o Dia Internacional em Apoio às Vítimas de Tortura, e iremos compartilhar a história de Aizah, que enfrentou extrema violência e rejeição de sua família quando entregou sua vida a Jesus. Além dela, certamente, há muitos cristãos que vivenciam cenários semelhantes devido a sua escolha por Cristo, no norte da África, na região do Oriente Médio e em todo o mundo. Entenda como Aizah está vivendo e a inclua em suas orações.

Aizah tomou uma decisão perigosa quando entregou sua vida a Cristo. Com medo de que seu pai a matasse por sua conversão, ela decidiu fugir de casa. "No momento de sua conversão, você envergonha sua família", afirmou a jovem. "Se você é uma mulher nascida em uma família muçulmana, e se torna uma seguidora de Jesus, então você envergonha seu pai, seu irmão e toda a família. Você feriu sua família e os desonrou", explicou a cristã ex-muçulmana.

Culturalmente, como mulher, Aizah esteve duplamente vulnerável à perseguição. No entanto, atualmente a cristã superou tudo isso para se tornar uma líder inspiradora, oferecendo proteção, apoio e encorajamento a outras mulheres como ela. Aizah encontrou proteção em outra família cristã e, agora, ela oferece apoio a outras mulheres que estão enfrentando perseguição por causa de sua fé e gênero.

Ela afirmou aos colaboradores da Portas Abertas: "Queremos ter uma casa segura para as mulheres que são expulsas de casa depois da conversão. Mulheres expulsas de casa, perdem a honra. Elas não têm escudo protetor, nem pai nem irmão para defendê-las. Em nossa cultura uma mulher como essa merece ser atacada. Faz muita diferença quando as pessoas sabem que alguém está protegendo você como mulher", afirmou.

Motivada por sua fé, Aizah se encontrou com cerca de 60 mulheres que estão sendo apoiadas pela Portas Abertas de diferentes maneiras. Ela reconhece que essas mulheres cristãs têm necessidades específicas, ela está bem e pode apoiá-las. Lembre-se de Aizah em suas orações e peça que Deus continue a fortalecendo, bem como todas as vítimas de tortura por sua fé ao redor do mundo.