Anterior

ANTERIOR

Em dez anos, número de cristãos aumenta de 10 mil para 500 mil na Argélia

19/07/2019

Universo Cristão

Crianças são suspensas de escola por se recusarem a participar de atividade LGBT

Escola no Reino Unido promovia atividades do mês com o tema do orgulho gay

Fonte: Guia-me / com informações da CBN News | 11/07/2019 - 15:30
Crianças são suspensas de escola por se recusarem a participar de atividade LGBT

Após ser suspensa de sua escola na Grã-Bretanha, uma menina de apenas 10 anos acusada de fazer comentários homofóbicos durante uma aula de conteúdo LGBT, grava um vídeo onde se defende da acusação de homofobia, e afirma nem conhecer o significado da palavra.

Kaysey e um colega de classe chamado Farrell, que estudavam em uma escola no sul de Londres, pediram para não participar de uma aula da escola, durante o período que promovia atividades do mês do orgulho LGBT.

A professora, Susan Papas, disse aos dois alunos que a aula fazia parte do currículo e se recusar a participar não era uma opção, de acordo com o 'Christian Legal Centre', grupo que luta pela liberdade religiosa no Reino Unido.

Kaysey e Farrell foram chamados de homofóbicos e acusados de fazer comentários anti-LGBT em sala de aula. A professora até os acusou de querer matar pessoas LGBT. As duas crianças asseguram que nunca disseram isso e responderam 'não' quando a professora insistiu: "Quer que morram?".

Kaysey diz que nem sabia o que a palavra "homofóbico" significava até que sua professora explicou.

"Fiquei confusa quando ela disse que eu estava sendo muito homofóbica. Eu não sou homofóbica, sou contra o ponto de colocar [conteúdo LGBT] em escolas e ensiná-lo a crianças. Eu acho que eles estão tentando confundir as crianças. Antes de tudo isso acontecer, elas estavam completamente confiantes de quem eram, mas agora elas não estão mais", disse Kaysey.

Kaysey é uma cristã pentecostal e defende suas crenças em um vídeo da organização 'Christian Concern', explicando que as crianças estão perdendo a autoconfiança.

"Isso está realmente afetando as crianças. Agora elas estão perdendo a confiança em si mesmas e pensando: 'Por que eu sou essa pessoa, por que eu não poderia ser outra pessoa?", contou.

"Os professores estão dizendo que isso é bom para as crianças, mas não é. Desde que isso aconteceu nas escolas, as crianças agora estão enfrentando a escolha para ver de que gênero elas são", acrescentou Kaysey.

Apesar de suspender Kaysey e Farrell por expressarem suas crenças, a Escola Primária Heavers Farm afirma que 'valoriza o respeito mútuo': "Dentro de nossas escolas, criamos ambientes seguros e de apoio, onde as crianças podem expressar opiniões e fazer suas próprias escolhas".

Mais de 23 mil pessoas assinaram uma petição para apoiar Kaysey e outros estudantes corajosos que estão pedindo para serem dispensados das lições de classe LGBT.