Anterior

ANTERIOR

Milagres no Iraque durante ocupação do Estado Islâmico

09/10/2019

Próximo

PRÓXIMA

Polícia invade igreja e prende cristãos por se reunirem `ilegalmente´, na China

09/10/2019

Universo Cristão

Juíza cristã diz que motivação para abraçar e entregar Bíblia a condenada veio de Deus

A juíza Tammy Kemp disse que, apesar das reclamações de grupos ateístas, ela não se arrepende de ter dado uma Bíblia à ex-policial Amber Guyger

Fonte: Guiame / com informações Christian Post / Foto: Tom Fox / Dallas Morning News | 09/10/2019 - 10:00
Juíza cristã diz que motivação para abraçar e entregar Bíblia a condenada veio de Deus

A juíza Tammy Kemp, do Tribunal Distrital do Condado de Dallas, Texas (EUA) está defendendo sua decisão de abraçar a ex-policial Amber Guyger e lhe entregar uma Bíblia, depois que a mulher foi condenada a 10 anos de prisão pelo assassinato de Botham Jean na quarta-feira passada. Grupos ateus e muitos na comunidade negra expressaram indignação por isso.

Kemp, que afirma não se arrepender de demonstrar compaixão por Guyger, disse que cercou a ex-oficial de compaixão cristã.

Ela compartilhou com o The New York Times que atualmente serve como diaconisa em uma igreja em Dallas, onde é membro há mais de 25 anos. A cristã de 57 anos também acredita firmemente na redenção e geralmente mantém uma Bíblia em seu quarto e em seu escritório, como um lembrete para começar o dia com oração.

Embora seus gestos com relação a Guyger possam ter irritado alguns espectadores, Kemp disse que geralmente incentiva os réus que aparecem em seu tribunal a usar seu tempo na prisão para fazer mudanças positivas na vida e a ex-oficial condenada pediu conselhos à juíza.

Kemp disse que, ao final do julgamento, que incluiu um momento emocionante em que ela permitiu a Brandt Jean, o irmão mais novo de Botham Jean, abraçar a ex-policial depois que ele a perdoou publicamente, ela foi até Guyger e a encorajou a mudar de vida.

“Eu disse a ela:‘ Senhora Guyger, Brandt Jean te perdoou. Agora, por favor, perdoe a si mesma para que você possa viver uma vida produtiva quando sair da prisão”, contou Kemp.

"Ela me perguntou se eu achava que a vida dela poderia ter um objetivo", lembrou Kemp. “Eu disse: 'Eu sei que pode.' Ela disse: 'Não sei por onde começar, não tenho uma Bíblia'”. Foi quando Kemp disse que foi a seus aposentos, pegou sua Bíblia e leu a passagem de João 3:16 com Guyger.

Essa resposta, disse Kemp, desencadeou um pedido surpreendente de Guyger - ela pediu à juíza um abraço.

Kemp disse que ficou surpresa com o pedido e hesitou por um momento antes de atendê-lo, como havia feito anteriormente com os acusados ??que concluíram com sucesso a liberdade condicional ou o tratamento medicamentoso muitas vezes. Ela explicou que, apesar de não se lembrar de ter abraçado um assassino condenado, ela cedeu depois que Guyger implorou pela segunda vez.

O único arrependimento que ela teve foi o de não ter abraçado Guyger já na primeira vez que a ex-oficial pediu, disse ela.

"Estou um pouco envergonhada de dizer que ela teve que me pedir duas vezes", disse Kemp ao Times. "O ato que ela cometeu foi horrível - ela assassinou o Sr. Jean. Mas nós não somos aquilo que fazemos, os erros que cometemos".

Kemp disse que as Escrituras também a ajudaram a aceitar o pedido de um abraço feito por Guyger, especificamente uma mensagem que ela só ouvira duas semanas antes sobre a parábola das ovelhas perdidas.

“Nosso pastor havia dito: 'Se queremos atrair um, precisamos mostrar amor e compaixão'. E então eu também pensei: Deus diz que meu trabalho é fazer justiça, amar, trazer misericórdia e andar humildemente”. Kemp disse ao Times. "Então, como você pode recusar um abraço nessa mulher?".

Reclamações

A organização ateísta Freedom From Religion Foundation reclamou para a Comissão de Conduta Judicial do Texas do “proselitismo” de Kemp no tribunal.

“Entendemos que foi um momento emocionante, principalmente quando o irmão da vítima, Brandt Jean, perdoou publicamente e abraçou Guyger. É perfeitamente aceitável que os cidadãos expressem suas crenças religiosas no tribunal, mas as regras são diferentes para aqueles que atuam em um papel governamental”, escreveram os copresidentes da FFRF Dan Barker e Annie Laurie Gaylor.

"Mesmo que Guyger fosse uma cristã devota declarada, o gesto ainda seria inadequado e inconstitucional, porque a juíza Kemp estava agindo em sua capacidade oficial de governo", continuaram.

Elogios

Kemp e Brandt Jean foram muito elogiados por muitos conservadores brancos devido à suas atitudes de cristãos exemplares, como o editor e blogueiro do The American Conservative Rod Dreher.

“Se este país, os Estados Unidos da América, for salvo, será através da fé, amor e ações de homens e mulheres como Brandt Jean e a juíza Tammy Kemp. Não os pregadores políticos de esquerda e de direita com grandes congregações e faixas na TV nacional. Crentes humildes e comuns como esses dois - eles serão os únicos, se sobrarem apenas eles, será o suficiente”, escreveu Dreher em um artigo na quinta-feira passada.