Anterior

ANTERIOR

Cristãos são condenados por propaganda contra governo do Irã

14/01/2020

Próximo

PRÓXIMA

Igreja realiza batismo coletivo com 2000 pessoas, em Salvador

14/01/2020

Universo Cristão

Índia mantém pastor preso, enquanto defesa aponta manipulação no julgamento

O pastor americano Bryan Nerren está preso há três meses na Índia e teve seu passaporte confiscado em um caso intrigante

Fonte: Guiame / com informações Christian Post / Foto: CBN News | 14/01/2020 - 10:30
Índia mantém pastor preso, enquanto defesa aponta manipulação no julgamento

Um pastor do Tennessee (EUA) está sendo impedido de deixar a Índia três meses após sua prisão no país oriental, embora um processo aduaneiro contra ele por supostamente não pagar imposto sobre o dinheiro que ele levou para o país já tenha sido resolvido, segundo uma advogada que representa a família.

Cece Heil, consultora sênior do Centro Americano de Direito e Justiça, disse ao site americano 'Christian Post' que o pastor Bryan Nerren tinha uma audiência programada para a manhã da última quinta-feira (9), já que seu caso se alternava entre os costumes e o sistema judicial.

Havia alguma esperança, embora pequena, disse ela, de que Nerren — o fundador de uma organização sem fins lucrativos que serve no Nepal chamada de Associação Asiática de Educação Infantil — pudesse devolver seu passaporte e deixar o país, já que pagou uma multa relacionada a o que os advogados dizem ser uma cobrança injusta.

No entanto, a audiência marcada para quinta-feira em Siliguri foi adiada, disse Heil.

Nerren, o pastor dos Ministérios da Casa Internacional de Oração em Shelbyville, foi preso por ter levado 40.000 dólares com ele em sua entrada na Índia no início de outubro de 2019.

O dinheiro deveria ser usado para pagar sua viagem de duas semanas à Índia e ao Nepal, para visitar pastores e para cobrir os custos de duas conferências.

Nerren foi preso quando ele partiu de um voo doméstico de Nova Délhi para Bagdogra, na Índia.

Heil disse que Nerren, que estava viajando com outros dois pastores, foi questionado sobre o dinheiro pelos agentes de segurança antes de embarcar em seu voo em Nova Délhi. O pastor disse às autoridades que o dinheiro era para cobrir as conferências e sua viagem.

Heil disse que as autoridades perguntaram a Nerren durante o interrogatório se ele é cristão e se os fundos seriam usados para "propósitos cristãos". Em nenhum momento, ele foi orientado sobre como deveria declarar o dinheiro na fila do visto, segundo informou a advogada.

Embora tenha sido inicialmente liberado para voar, Heil disse que as autoridades de Nova Délhi telefonaram antes para Bagdogra. Nerren foi preso depois que ele decolou do avião em Bagdogra.

Nerren ficou preso por seis dias em Siliguri antes de poder pagar a fiança. No entanto, um juiz o proibiu de viajar e ordenou que o pastor tivesse seu passaporte confiscado.

"O fato de terem dito a ele que ele estava liberado para ir embora e alertado Bagdogra para prendê-lo quando ele chegou lá, os próprios fatos indicam que era uma armação", afirmou Heil.

Juntando as peças do quebra-cabeça

O adiamento da audiência por um juiz no tribunal de Siliguri ocorre após uma reviravolta questionável no caso de Nerren.

Segundo Heil, um tribunal de Siliguri estava programado para ouvir o caso de Nerren no dia 12 de dezembro. No entanto, essa audiência foi antecipada para 7 de dezembro, na qual uma nova juíza foi nomeada. A nova juíza, disse Heil, desconsiderou todos os requisitos do juiz anterior no caso de Nerren.

O juiz anterior, de acordo com Heil, disse a Nerren que se ele fornecesse certa documentação, seu passaporte seria devolvido e a proibição de viagens seria suspensa. Embora a documentação tenha sido providenciada, o juiz foi "misteriosamente" colocado sob licença médica por tempo indeterminado.

"O juiz anterior havia declarado que, assim que recebesse o relatório da alfândega e o promotor não se opusesse, liberaria o passaporte e cancelaria a proibição de viajar", explicou Heil.

“A nova juíza recebeu o relatório e o promotor não teve objeções, mas o passaporte não foi liberado, nem a proibição de viajar foi suspensa. Ela solicitou um relatório ao promotor uma audiência para 12 de dezembro, data em que o promotor simplesmente não apareceu e não foi encontrado”.

Heil afirmou que, quando as cópias da ordem judicial foram recebidas, a novo juíza encerrou o caso, deixando Nerren e seus advogados sem acesso a nada no arquivo.

"Claramente, os jogos estão sendo disputados", disse Heil. “Enquanto isso, a filha com necessidades especiais do pastor Nerren corre sérios riscos, pois ela perdeu quase 9 quilos de sua estrutura já frágil de pouco mais de 45 quilos. Ela não quer comer sem a presença do pai, responsável por 50% de seus cuidados nos últimos 29 anos”.