Anterior

ANTERIOR

Vizinhos fazem corrente de oração por criança ao lado de ambulância, após incêndio no ES

21/10/2020

Universo Cristão

Presidente da Polônia se junta a 5 mil pessoas para marchar contra o aborto e pela família

Andrzej Duda se juntou aos manifestantes da 15ª Marcha pela Vida e Família, que passou por algumas ruas da capital, Varsóvia

Fonte: Guiame/ Com informações do Life Site News - Foto: Maciej ?awniczak / Life and Family Center | 24/09/2020 - 14:30
Presidente da Polônia se junta a 5 mil pessoas para marchar contra o aborto e pela família

No último domingo (20), o presidente da Polônia se juntou a 5.000 pessoas em uma recente manifestação contra o aborto, na capital do país, Varsóvia.

Andrzej Duda, de 48 anos, foi um dos manifestantes no domingo, 15ª Marcha pela Vida e Família, que ocorreu apesar das restrições em razão da pandemia da Covid-19 em toda a Europa. O presidente, recentemente reeleito após campanha em que destacou seu compromisso com a tradicional família polonesa, foi convidado pelos organizadores do evento.

O lema da Marcha pela Vida e Família deste ano foi "Vamos defender a família juntos".

De acordo com a revista polonesa ‘Polonia Christiana’, a marcha “afirmando a família, a vida e o amor” foi “ensolarada e alegre” e tornou-se especial pela presença do presidente polonês. Foi a primeira vez que um Presidente da República Polonesa participou do evento.

“Estamos honrados que o presidente Andrzej Duda aceitou nosso convite e participou da Marcha pela Vida e pela Família”, declarou Pawel Ozdoba, presidente do Centrum Zycia i Rodziny [Centro de Vida e Família].

“Estamos felizes que as famílias polonesas tenham a pessoa mais importante do país como aliada”, continuou ele. “Acreditamos que, graças à atividade política [de Duda], a família, bem como o casamento como uma união de mulheres e homens, serão protegidos em muitos níveis”.

Também estiveram presentes no comício a Superintendente de Escolas da região de Ma?opolska da Polônia, Barbara Nowak, e até mesmo o desafiante presidencial de Duda pela direita, Krzystof Bosak, do partido Confereracja.

A marcha começou ao meio-dia, na Plac Zamkowy [Praça do Castelo] de Varsóvia e prosseguiu ao longo da Krakowskie Przedmie?cie, uma rua central, até a Igreja barroca da Santa Cruz. A manifestação teve dois temas: a necessidade de proteger a vida de bebês em gestação que ainda podem ser mortos por motivos eugênicos e a necessidade de proteger a família de “ameaças ideológicas”.

Quase 1.000 bebês em gestação na Polônia são mortos todos os anos, porque são diagnosticados com deficiências graves, revelou a ‘Polonia Christiana’. Um projeto de lei do cidadão, pedindo a criminalização da prática eugênica será analisado pelo Tribunal Constitucional do país em 22 de outubro.

As leis de aborto relativamente rígidas da Polónia também permitem matar bebês em gestação, concebidos em estupro e incesto. Além disso, o aborto só pode ser realizado quando a continuidade da gravidez colocar em risco a vida da mãe.

Histórico

Nos últimos anos, o país tradicional, em grande parte católico, foi desafiado por um movimento financiado do exterior e apoiado por organizações de outros países europeus, que está tentando espalhar a ideologia LGBT.

O adversário de extrema esquerda de Duda à presidência, Rafa? Trzaskowski, criou um “Cartão” LGBT (Carta dos Direitos) como prefeito de Varsóvia.

Em julho, ativistas LGBT profanaram uma estátua de Cristo, erguida em homenagem aos sobreviventes da Revolta de Varsóvia, amordaçando a figura e enfeitando-a com a bandeira LGBT.

Ativistas LGBT profanaram outros símbolos nacionais e religiosos, como a imagem da Madona Negra de Cz?stochowa. Em 2019, a ativista El?bieta Podle?na foi presa, depois que pôsteres mostrando o ícone da Madona Negra de Cz?stochowa e seu filho com halos de arco-íris LGBT foram colocados perto de uma igreja em P?ock durante o fim de semana da Páscoa, a época mais sagrada do ano cristão. Ofender a sensibilidade religiosa é um crime na Polônia, semelhante à perturbação da paz.

Diversas vezes, o ataque LGBT aos valores tradicionais se transformou em violência na Polônia. Em junho, o ativista “não binário” Micha? “Margot” Szutowski atacou um veículo pertencente ao grupo pró-vida e pró-família e seu motorista.