CPADNews

Jogadora de vôlei do Afeganistão é decapitada por não seguir regras do Talibã

Segundo o Independent, apenas duas atletas conseguiram escapar do regime Talibã, e as outras permanecem escondidas pelo país

Jogadora de vôlei do Afeganistão é decapitada por não seguir regras do Talibã

Após a retomada de poder do Talibã no Afeganistão, a vida das meninas e das mulheres está cada vez mais em risco, pois elas perderam o pouco dos direitos que chegaram a conquistar um dia. Nesta quinta-feira (21), o jornal Persian Independent informou que o grupo extremista islâmico decapitou a jogadora de vôlei, Mahjabin Hakimi, por ela ter se negado a seguir as regras do grupo.

A atleta jogava pela seleção júnior de vôlei feminino do Afeganistão, e foi executada no início do mês de outurbro, porém sua morte só foi revelado após uma entrevista de um dos técnicos do time. O treinador revelou que a família da jovem foi ameaçada por integrantes do Talibã.

De acordo com as informações do Independent, apenas duas atletas conseguiram escapar do regime Talibã, e as outras permanecem escondidas pelo país.

Federação Internacional de Voleibol (FIVB) informou ao portal esportivo Inside The Games, que pediu um "esclarecimento urgente" sobre a situação das atletas da modalidade no Afeganistão, e disse que vai manter o caso fora dos holofotes para preservar a integridade das jogadoras.

As atletas da seleção afegã de futebol feminino deixaram o Afeganistão em agosto, junto com seus familiares, e com apoio do governo Australiano. As jogadoras também relataram o medo de represálias por conta da atividade profissional que exercem.

A proibição da prática de esportes femininos no país, foi anunciada por um dos líderes culturais do Talibã, Ahmadullah Wasiq, em uma entrevista cedida à rede de TV da Austrália, SBS, no mês de agosto.

Wasiq afirmou na ocasião, que o esporte feminino é 'algo inapropriado e desnecessário', e disse: "Eu não acho que não será permitido às mulheres jogar críquete, porque não é necessário que as mulheres joguem críquete. No críquete, elas podem estar em situações em que o rosto e o corpo delas não estejam cobertos, e o Islã não permite que elas sejam vistas dessa forma".

 

CPAD News/ Com informações G1 - Foto: Reprodução Twitter