CPADNews

53 mortos em ataque a posto de segurança em Burkina Faso

Segundo um porta-voz do governo, 49 policiais militares e 4 civis burquinenses foram mortos

53 mortos em ataque a posto de segurança em Burkina Faso

Após ataque à um posto policial em Burkina Faso, no dia 14 de novembro, ao menos 53 pessoas foram mortas, gerando protestos sobre o fracasso do governo em conter uma insurgência islâmica nos últimos anos.

De acordo com o Notícias ao minuto, o posto policial foi invadido por "um grande número de indivíduos armados", domingo (14),  que se deslocaram "em várias 'pick-ups' e motos". O jornal afirma que uma fonte de segurança descreveu o confronto como "longas trocas de fogo entre os atacantes e os paramilitares".

O porta-voz do governo burquinabé, Ousseni Tamboura, afirmou que o ataque ocorreu próximo à uma mina de ouro em Inata, território na região norte de Soum, e matou 49 policiais militares e 4 civis. Segundo as informações de fontes locais, o posto em Inata integra cerca de 150 homens. Portanto, é possível que o número de mortos e feridos ainda seja atualizado, de acordo com as investigações.

A Agência de notícias Reuters, noticiou um protesto nas ruas da capital do país, na última terça-feira (16), que reuniu centenas de manifestantes nas ruas, que reivindicavam "a renúncia de Kabore por não conter militantes ligados à Al Qaeda e ao Estado Islâmico que regularmente visam as forças burquinenses e civis”, escreveu.

No passado, Burkina Faso já foi considerado um país tolerante religiosamente, porém desde 2015, um levante jihadista atormentou a nação, bem como o resto da região do Sahel da África. Ultimamente, são diversos os relatos de civis que sofrem com ataques violentos, e violações dos direitos humanos nas mãos de extremistas grupos, que muitas vezes têm como alvo os cristãos, seus líderes e locais de culto.

A organização que monitora a perseguição religiosa no mundo, International Christian Concern (ICC), pediu orações por Burkina Faso e pelo fim do extremismo islâmico. "Ore por aqueles que se envolvem em crimes hediondos contra a humanidade, para que experimentem o amor de Jesus e sejam guiados das trevas para a luz. Ore também para que o Senhor proteja e fortaleça a igreja perseguida e forneça cura a todos os afetados pela violência", intercedeu.

 

CPAD News/ Com informações Notícias ao minuto e International Christian Concern (ICC) - Foto: Reprodução Google Maps