CPADNews

Após protestos de pais, política transgênero é rejeitada nas escolas de Virgínia

De acordo com o Departamento de Educação, banheiros e vestiários poderiam ser usados conforme a `identidade de gênero preferida´ dos alunos

Após protestos de pais, política transgênero é rejeitada nas escolas de Virgínia

Um protesto que reuniu quase 500 pais, membros do conselho escolar e cidadãos preocupados com o futuro da educação, rejeitou totalmente a nova política para transgêneros nas escolas de Virgínia, nos Estados Unidos. 

Durante a audiência pública que aconteceu na noite de quinta-feira (15), no condado de Russell, o conselho escolar apresentou a votação de 7-0 contra a política do modelo transgênero que o Departamento de Educação da Virgínia havia aprovado.

Conforme a The Family Foundation, os alunos teriam permissão para usar um nome ou gênero que “combinasse com a sua identidade de gênero preferida”. Eles também teriam acesso a banheiros e vestiários “conforme a identidade de gênero” e não conforme o sexo biológico de nascimento.

Proteção a todos

Os membros do conselho enfatizaram que estão comprometidos em proteger “todos os alunos” e que acreditam que o distrito escolar já cumpre as leis federais antidiscriminação.

“Os conselhos escolares têm o dever ético e legal primário de proteger e respeitar a privacidade, a segurança e a consciência de todas as crianças no ambiente escolar, bem como os direitos fundamentais garantidos pela constituição de pais, professores e funcionários”, disse Josh Hetzler, consultor jurídico do Founding Freedoms Law Center. 

O Dr. Todd Gathje, diretor de relações governamentais da Family Foundation também afirmou que “no final do dia, independentemente do que o Departamento de Educação da Virgínia forneça como orientação, os conselhos escolares têm o dever principal de proteger a segurança dos alunos que estão sob seus cuidados”. 

Além disso, Gathje lembrou que é importante não violar os direitos parentais de pais e mães que querem a proteção de seus filhos. O conselho também votou contra a teoria crítica da raça ensinada nas escolas.

Contra a política transgênero

Candi Cushman, vice-presidente de estratégias de comunicação e de base da The Family Foundation, comentou que a reunião enviou uma mensagem poderosa para outras pessoas sobre como se posicionar contra as políticas para transgêneros.

“Com essas ações, o Conselho Escolar do Condado de Russell deu um exemplo de empoderamento para os membros do conselho escolar que se sentem pressionados, em todo o estado, a adotar contra sua vontade a política radical de questões transgênero da agência governamental estadual, além de outras recomendações curriculares”, concluiu.

 


Fonte: Guiame/ Com informações de CBN News - Foto: Pixabay.com