CPADNews

Suprema Corte do México descriminaliza o aborto, apesar da maioria da população ser contra

Pesquisa divulgada no último domingo (5), mostra que 57% dos mexicanos são contra o aborto

Suprema Corte do México descriminaliza o aborto, apesar da maioria da população ser contra

Em votação unânime nesta terça-feira (7), a Suprema Corte de Justiça do México, decidiu que é inconstitucional a criminalização do aborto. O que passa a valer como referência para todos os juízes mexicanos.

De acordo com o G1, o Supremo tomou a decisão em relação a um caso em Coahuila, que questiona a criminalização no estado, onde a previsão de pena para gravidez interrompida voluntariamente era de até três anos de prisão.

Embora muito comemorada pelos ativistas pró aborto, vale ressaltar que a decisão é em nível estadual.

O presidente da Frente Nacional pela Família (FNF), Rodrigo Iván Cortés, afirmou em entrevista à ACI Prensa, que esta não é uma decisão de âmbito nacional, e afeta apenas os casos de aborto no estado de Coahuila. “O crime de aborto é mantido em toda a República”, frisou.

No geral, pode-de dizer que a legalização do aborto ainda é rejeitada pela maior parte da população mexicana, que se declara católica e conservadora.

A Data Room by Strategos divulgou no último dia 5 de setembro, uma pesquisa que revela 57% dos mexicanos contra o aborto, e apenas 29% se posicionam a favor. O estudo também mostra que 90% dos mexicanos consideram que “a vida é um direito”, enquanto apenas 29% acreditam que o aborto é um direito.

Mais de 50 mil pessoas assinaram uma campanha, na plataforma CitizenGO, para exigir que os ministros da Suprema Corte não aprovassem o aborto no México. Outra campanha semelhante, na plataforma ActivateCerca, arrecadou cerca de 30 mil assinaturas.

De acordo com informações, nesta segunda (6), um dia antes da decisão da Suprema Corte, a rejeição ao aborto também era uma dos assuntos mais discutidos nas redes sociais do país.

 

CPADNews/ Com informações G1 e Guiame