CPADNews

Ataques a comunidades agrícolas na Nigéria deixam seis mortos e três feridos

Radicais Fulani invadiram fazendas de cristãos e destruíram mais de treze hectares de terras agrícolas

Ataques a comunidades agrícolas na Nigéria deixam seis mortos e três feridos

Duas comunidades cristãs no estado de Plateau da Nigéria, foram atacadas por radicais pastores Fulani, entre os dias 1 e 5 de outubro.

De acordo com a International Christian Concern (ICC), os militantes muçulmanos destruíram mais de treze hectares de terras agrícolas no valor de milhões de nairas, incluindo oito hectares de terras agrícolas patrocinadas pela ONG, que defende os direitos dos cristãos perseguidos.

“Recebi um telefonema angustiado do presidente da divisão local, dizendo que enquanto eles estavam em seu local de culto naquela manhã, eles perceberam que Fulani empurrava seus rebanhos na fazenda e pastava em oito hectares de safra de soja”, afirmou Paul, gerente de fazenda do ICC.

Paul avalia que o ataque foi deliberado, pois segundo ele, não seria possível destruir oito hectares de terras agrícolas naquele curto período, sem um "bom" planejamento.

Os atacantes chegaram em uma das comunidade durante o serviço religioso, e de acordo com um líder comunitário, começaram a pastar seus gados dentro das fazendas. "Três de nossos vigilantes foram detê-los sem saber que os atacantes vinham com armas sofisticadas, e infelizmente, pagaram o preço de se tornarem cristãos e foram mortos naquele dia", contou o líder.

Após o ataque, um colaborador da ICC visitou a fazenda e conversou com mulheres que lamentavam a perda de seus entes queridos. E enquanto estava no local, a aldeia foi novamente invadida por radicais, disparando tiros. O colaborador conseguiu escapar ileso, mas dois outros cristãos foram atingidos pela bala, e ficaram feridos.

A Organização alerta que não é a primeira vez que fazendas da região são visadas pelos pastores Fulani. “Eu gostaria de implorar à liderança nigeriana para despertar a sua responsabilidade de proteger vidas e propriedades”, suplicou o gerente da ICC.

Outros dois fazendeiros cristãos também foram executados por militantes Fulani, a cerca de 18km da vila da fazenda, no dia 1 de outubro.  No dia seguinte (2), mais dois cristãos foram emboscados. Apenas um sobreviveu, mas sofreu ferimentos à bala e está em estado crítico. Por não ter condições de arcar com os custos do hospital, ele recebeu alta hospitalar, e segue recebendo atendimento médico em sua casa.

 

CPAD News/ Com informações International Christian Concern (ICC) - Foto: Reprodução/GoogleMaps