CPADNews

Líderes do Sudão são presos por homens armados

O paradeiro dos ministros do governo de transição ainda é desconhecido

Líderes do Sudão são presos por homens armados

Vários membros do governo de transição do Sudão, entre eles estavam pelo menos quatro ministros, foram presos por homens armados nesta terça-feira (25). Segundo um relatório, o primeiro-ministro civil Abdallah Hamdok foi preso teria sido preso, mas a informação não foi confirmada. De acordo com a agência de notícias Associated Press (AP), o paradeiro de Hamdok não ficou imediatamente claro, em meio a relatos da mídia de que as forças de segurança estavam estacionadas fora da casa do líder, em Cartum.

Ainda de acordo com a agência de notícia, "entre os detidos estavam o ministro da Indústria Ibrahim al-Sheikh, o ministro da Informação Hamza Baloul, Mohammed al-Fiky Suliman, membro do Conselho Soberano, e Faisal Mohammed Saleh, assessor de mídia do primeiro-ministro Abdalla Hamdok. Ayman Khalid, governador do estado de Cartum, também foi preso, de acordo com a página oficial do Facebook do escritório dele."

As prisões aconteceram após as reuniões com o enviado especial dos EUA para o Chifre da África, Jeffrey Feltman. Ele esteve com líderes militares e civis sudaneses no último final de semana para resolver disputas. O site de notícias estatal do Sudão destacou as reuniões com os oficiais. 

A AP explicou ainda que as prisões ocorrem “após semanas de crescentes tensões entre os líderes civis e militares do Sudão. Uma tentativa fracassada de golpe de Estado em setembro colocou islâmicos mais conservadores, que querem um governo militar, contra aqueles que derrubaram al-Bashir há mais de dois anos em protestos em massa. Nos últimos dias, as ruas foram tomadas por manifestações”.

“Pedimos apenas para orar pelo Sudão. Esperamos que algumas mudanças aconteçam de forma pacífica e que um acordo aconteça. Podemos esperar e clamar para que Deus faça algumas intervenções nesta situação, sem violência”, disse um cristão loca .

Infelizmente, as esperanças parecem não ser suficientes. Portais de notícias locais confirmaram que, desde que os militares tomaram o poder do governo de transição, pelo menos três pessoas foram mortas e 80 feridas durante os protestos nas ruas. 

 

Com informações Portas Abertas (27.10.21)